A presença online se organiza de diversas maneiras, em torno de sites, portais, blogs, plataformas, aplicativos, banners, comunidades, mídias sociais, compra e venda de produtos. A coleta e análise de informações sobre o contexto amplo de relacionamento entre pessoas e organizações em torno de diferentes demandas permite o entendimento dos motivos e fatores que contribuem para o posicionamento de cada agente nestes canais.

O âmbito da análise de informações para a pesquisa de ambiente varia muito. Pode restringir-se ao acompanhamento dos principais envolvidos em uma determinada indústria ou cobrir um grande número de empresas, canais e serviços, com maior ou menor profundidade.

No projeto de mídias digitais esta avaliação ajuda a verificar as necessidades e preferências dos clientes/ usuários dos canais por diversos produtos e a inseri-los em ambientes amplos em que atuam.

A pesquisa de ambiente, ou pesquisa de mercado no ambiente online, verifica:

O que atrai o público em determinado contexto de atividade/ linguagem (conteúdo, recursos tecnológicos, formatos dos arquivos, tratamento da linguagem).

Para onde apontam as tendências comerciais editoriais, técnicas da presença na internet de organizações da mesma área. É importante avaliar também os fornecedores e as empresas cujas atividades podem valorizar as atividades da empresa em questão.

Fornecedores de uma marca de comida devem verificar também como estão os supermercados e estabelecimentos que comercializam seus produtos, não só o que os fornecedores dos mesmos produtos estão fazendo.

Para onde apontam as tendências offline – como processos de divulgação e veiculação de marca bem-sucedidos podem ser transpostos para a web.

Diferenciais entre o mercado online e offline. Como as pessoas se comportam nestes ambientes, como as informações são veiculadas e como transitam entre um e outro.

Como alguns requisitos do site foram resolvidos em outros contextos – rótulos de links e estrutura de informações, atendimento ao cliente, lançamento de produtos, processos de compra e venda pelo usuário, circulação e arquitetura de informações.

Como são as soluções de layout bem aceitas e as reações do público.

Com ponto de partida na comparação entre organizações, a pesquisa de mercado de mídias digitais avalia:

Como ideias semelhantes podem ser abordadas com premissas editoriais (e comerciais, técnicas) diferentes. → Exemplo

O que são ideias novas e ideias antigas neste ambiente. → Exemplo

Os pontos fracos e fortes de sites relacionados. → Exemplo

Os pontos fracos e fortes de site já publicado pela mesma organização.

O diferencial em relação a outros sites ou organizações que atuam na mesma área. → Exemplo

Os recursos necessários para produzir o diferencial. → Exemplo

Há infinitos critérios de comparação entre sites relacionados, como navegação, arquitetura da informação, uso de multimídia, recursos de atendimento ao usuário, audiência.

Fator decisivo para uma análise bem fundamentada, a escolha destes critérios depende dos objetivos do site e eventualmente da estratégia interna da organização por trás do site e seus relacionamentos com outras organizações que atuam na mesma área.

(Atualizado em 5.5.2013)

 

Referências

The web Is dead. Long live the internet, Chris Anderson e Michael Wolff, sobre a ascensão das apps como plataforma para publicação de conteúdo online (Wired, acesso em 18.8.2010)

Free! Why $0.00 is the future of business, Chris Anderson (Wired, acesso em 20.2.2009)

Livro: A cauda longa – do mercado de massa para o emrcado de nicho, de Chris Anderson. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2006

The long tail – texto de Chris Anderson que mostra como os processos de compra e venda online e offline têm características específicas e como o mercado online se beneficia das vendas para público altamente segmentados (Wired, acesso em 17.7.2005)