Arquitetura da informação

Atividades relacionadas (etapas de projeto)

Universo informacional

Atualizado em 1.7.2012

A conceituação de um universo informacional, seja constituído por um web site isolado ou um conjunto de veículos interrelacionados, como livro, aplicativo móvel, game e filme, facilita o exame das informações que podem ser inseridas num ambiente de comunicação. O entendimento do contexto faz emergir não só informações com potencial para publicação como também possibilidades de relacionamentos entre as unidades, dentro de um mesmo canal, ou entre canais.

Consideramos aqui universo informacional um modelo conceitual de informações que tenham características comuns, ou subconjuntos de informações representativos de uma totalidade. Diferente de um sistema de informações (conjunto interconectado que forma um todo estruturado), um universo informacional nem sempre permite o controle dos fluxos de informações, de energia, de comunicação entre cada um dos seus componentes.

Um universo de informações inclui unidades relacionadas, mas também informações aparentemente desconexas, outras que aparecem meio casualmente, bem como informações obscuras, ou não articuláveis.

A criação de um universo informacional inclui não só tarefas de organizar e articular unidades de informações, como também de imaginar e criar conexões, com base em diversos modelos ou justificativas que obedecem à lógicas de diferentes contextos sociais, comerciais, culturais.

Considera inicialmente as informações coletadas durante a conceituação do projeto, as anotações de entrevistas com stakeholders (histórias, experiências), resultados da construção de cenários, de pesquisas de mercado, de pesquisas de usuários, do entendimento de ambientes online relacionados em buscas de palavras-chave, da análise das estatísticas de acesso. Considera as circunstâncias de acesso do público e os requisitos funcionais e comerciais de cada canal.

O universo informacional é delimitado logo no início do desenvolvimento do produto propriamente dito, para evitar confusões, e mal-entendidos na equipe de projeto sobre as direções que o produto final pode tomar.

Big bang

Depois do exame conceitual, num processo colaborativo e em parte empírico de expansão de ideias, vão aparecendo, concretamente, as unidades de informações que deverão estar presentes no canal ou canais projetados. Todas que ocorrem à equipe de projeto e aos patrocinadores dos produtos.

Possivelmente neste momento aparecem muitas ideias não aproveitáveis no produto final. Não importa, este é um momento em que se pode ver um quadro mais amplo, que facilita a percepção subjetiva do conjunto. Mesmo as que não forem publicadas em todos os produtos, podem ser importantes para a construção de uma visão geral.

Aos poucos, a partir de referenciais desenvolvidos pela equipe, vai-se procurando um modelo de representação, a partir da apropriação das lógicas e princípios das linguagens examinadas. O conjunto pode gerar um quadro branco cheio de papeis coloridos ou de palavras soltas, planilhas com listas de termos, ou pilhas de cartões de papel, por exemplo.

O entendimento deste conjunto ajuda a equipe de projeto a perceber as unidades mais e menos relevantes, as que se relacionam mais estreitamente com as outras e com os objetivos dos projetos, as que poderiam ser mais valorizadas e expandidas com outras, as que podem representar um diferencial e surpreender o público, as que não fariam falta se retiradas.

-> Numa campanha eleitoral, o universo informacional inclui desde as informações básicas do candidato quanto os impressos, banners, bordões e jingles que vão chamar a atenção do público. Antes de examinar os formatos de saída das informações, como programas de TV, web sites, faixas, cartazes, folhetos, participação em mídias sociais, fotos, vídeos, examina-se o que efetivamente vai ser veiculado, que informações serão importantes para o público e para a visibilidade do candidato, como podem ser produzidas, atualizadas, multiplicadas.

Na medida em que visa ao entendimento crítico de conceitos e de suas possibilidades, menos comprometida com o público-alvo que o resultado final, a criação de um universo informacional é um processo aberto às opiniões subjetivas dos stakeholders. Sem preocupação ainda com a estrutura do conjunto e dos produtos finais, é mais comprometida com o conceito geral, e preserva alguma gratuitade e leveza, oscilando entre o pessoal, subjetivo, e consensos culturais e sociais amplos.

Um universo informacional, em seu viés midiático e transmidiático, pode incluir espaços abertos ao desenvolvimento de conteúdo pelo público, seja gerado a partir de relacionamentos interpessoais entre fãs e admiradores, seja criado para complementar os produtos projetados, de forma que nem mesmo a equipe de projeto pode controlar.

-> As histórias de Harry Potter, além de adaptadas para o cinema e representadas na internet pelos sites oficiais desenvolvidos pela Warner (geral e de cada filme), se multiplicam em milhares de sites, blogs, vídeos desenvolvidos por adolescentes. O público de fãs criou vocabulários próprios para trocar ideias sobre as histórias, escrever sobre elas, desenvolver personagens pouco explorados por J.K. Rowling, criar novas situações para as histórias. Um universo aberto a interferências e invenções.

Dependendo da natureza do produto, a inserção de espaços abertos à co-criação e à incorporação de novos produtos adaptados pelo público também precisa ser prevista. Mas como adivinhar que conteúdo pode ser reinventado pelo seguidores e admiradores? Como pensar no que não se pensou e deixar para o público a tarefa de continuar a desenvolver o produto?

A criação de conteúdo de maneira participativa, com o público, acontece em ambientes resilientes e permeáveis à apropriação amadora. Multiplica o potencial comunicacional dos produtos de comunicação e comerciais, valorizando a produção e o aprendizado coletivos - de qualquer forma, é importante que os criadores abram mão do controle total sobre seus produtos, abrindo canais para a expressão que consolida a fidelidade do público.

Mesmo que o universo informacional tenha locais em que o controle sobre o resultado esteja em parte nas mãos dos usuários, as ações desenvolvidas durante a sua criação são realizadas, acompanhadas e avaliadas tendo em vista os objetivos de sistematização de categorias (próxima etapa), de forma que se mantenham coerentes com o projeto e diretamente utilizáveis na sua realização.
Texto publicado em 1.7.2012.



Assuntos relacionados
Cross-channel (canais cruzados, transchannel)
Cross-channel – fatores contextuais
Cross-channel – visão geral do projeto
Cross-channel: heurísticas
Modelo editorial entre canais
Objetivos do projeto (briefing)
Conhecimento do público e avaliação de necessidades
O ambiente de publicação
Modelos mentais dos usuários

Referências
Livro: Pervasive information architecture: Designing cross-channel user experiences, de Andrea Resmini e Luca Rosati. Burlington, MA: Morgan Kaufmann, 2011.
Livro: Information architecture for the World Wide web – designing large-scale web sites, de Louis Rosenfeld e Peter Morville. O'Reilly, 2003
Livro: Cultura da convergência, de Henry Jenkins. São Paulo: Aleph Editora, 2008
Authoring tangible interactive narratives using cognitive hyperlinks, (link direto para PDF) de Joshua Tanenbaum, Karen Tanenbaum, Magy Seif El-Nasr e Marek Hatala (School of Interactive Arts + Technology, acesso em 1.7.2012)

Mais sobre o assunto (link externo)
Aprender a informar-se: dispositivos informacionais dialógicos, pesquisa e construção de conhecimento, projeto de pesquisa, Profa. Dra. Ivete Pieruccini (Pós graduação Eca-Usp, acesso em 1.7.2012)

Avellar e Duarte no Twitter Avellar e Duarte no Facebook Feeds da Avellar e Duarte Avellar e Duarte no Delicious