Os guias de estilo variam para cada mídia digital, e dependem dos objetivos, dos processos internos da equipe de atualização, do universo de atuação da organização, do retorno que se espera dos clientes. Ajudam a manter em foco, ou a atualizar, decisões estruturais de projeto.

Essas especificações de mídias digitais ajudam a manter a consistência do layout, dos textos, do atendimento ao público, do suporte técnico, da experiência dos usuários, ao longo do tempo. Mesmo que precisem ser revisadas constantemente, orientam as decisões da atualização tanto de aspectos de caráter geral quanto de detalhes, para:

Manter uma imagem consistente para o público.

Manter em foco os objetivos de negócio, mesmo que aos poucos, com a evolução orgânica do produto, estes se distanciem dos objetivos definidos durante o projeto.

Manter uma linguagem comum para as equipes de manutenção evolutiva (editorial, tecnológica, de vendas, de marketing, de planejamento de novas mídias), facilitando o preparo de novos membros da equipe para atualização e avaliação do veículo.

 Facilitar a realização de testes, com a proposição de metodologias adequadas aos objetivos do produto.

 Diminuir o esforço para a criação de soluções que mantenham integrados os sistemas editorial, visual e tecnológico, com a divulgação de ideias e processos.

 Estabelecer práticas e referências para a criação de soluções novas e para a modificação e reinvenção futura do produto e de novos produtos relacionados, de modo que os esforços de recriação sejam fundamentados na prática e no aprendizado evolutivo diário.

 Manter uma cultura interna de manutenção da consistência técnica, editorial, comercial, dos produtos já existentes e dos produtos a serem criados.

As especificações contidas nos guias de estilo são úteis tanto para a equipe gerencial e editorial quanto para a equipe técnica, que as utilizam como referência para fazer alterações na estrutura, criar novos canais de informação e subprodutos relacionados a um veículo principal, ou mesmo mudar a própria grade.

Se as recomendações não são seguidas, a implementação de soluções isoladas sem critérios consistentes, criadas para resolver problemas específicos, pode se acumular aos poucos, especialmente se a gestão do canal for dividida entre vários departamentos e pessoas.

Além das referências intrínsecas, as especificações podem também seguir, caso existentes, referências da linha geral de produtos da mesma organização, mais abrangentes, como layout, paleta de cores, conceito editorial e de imagem.

Sua criação e manutenção deve ser centralizada, para evitar a circulação de muitas versões e documentos paralelos, bem como a tomada de decisões isoladas, sem que outros envolvidos no produto sejam comunicados.

Quando forem realizadas mudanças estruturais no veículo é preciso revisar as especificações, na medida em que novas situações de publicação de conteúdo e novos serviços são implementados. A equipe de atualização, suporte ao usuário e desenvolvimento precisa ser também atualizada, para manter em foco uma visão sistematizada dos canais online em seu contexto amplo de negócio e de resposta do público.

(Atualizado em 15.5.2015)

 

Referências

Team models for scaling a design system, Nathan Curtis (User Interface Engeneering, acesso em 25.9.2015)

Style guide best practices, Brad Frost (User Interface Engeneering, acesso em 15.5.2015) indica → Website Style Guide Resources

5 ways you can avoid FOMO when developing a website, Brittney Sheffield (Search Engine Watch, acesso em 4.9.2014)

Beyond specs, Matthew Barnett (Projects@Work, acesso em 26.8.2008)