As atividades aqui descritas podem ser realizadas tanto por uma equipe de projeto cujo produto seja produzido no mesmo ambiente do desenvolvimento quanto por uma equipe terceirizada. Caso o desenvolvimento conceitual e técnico seja terceirizado, realizado por agência digital contratada, o planejamento da qualidade é realizado pela empresa contratante.
Internamente, a empresa contratada também aplica um conjunto interno de práticas de verificação da qualidade do produto, e estas devem ficar claras para o cliente, para evitar redundâncias e conflitos nas metodologias e políticas de referência. Estabelecer os requisitos de qualidade de cada ciclo ou iteração, que documentam as características valorizadas do produto e os métodos a utilizar para verificar se sua qualidade é satisfatória. A documentação é feita com o auxílio de uma lista de checagem dos requisitos que contribuem para a qualidade dos processos e do produto e das maneiras de satisfazer a estes padrões. Os requisitos devem ser listados, e dispostos em ordem de prioridade. Consideramos aqui a qualidade do produto como a do resultado de cada ciclo ou iteração do projeto até o lançamento. Planejar a garantia de qualidade, para a inspeção periódica e sistemática da aderência do projeto e seus produtos aos padrões do planejamento da qualidade. Se a elaboração do layout do produto passar por sucessivas revisões sem que haja um consenso sobre o resultado, é importante avaliar se há conflitos nos critérios de aprovação (ou entre os responsáveis) para que o projeto passe para a próxima etapa. Todos os processos críticos referentes à criação do site e às atividades para seu funcionamento são previstos na garantia de qualidade, dirigida à equipe interna e/ ou ao cliente final. O planejamento da garantia da qualidade inclui:

O estabelecimento da periodicidade ou das datas em que serão realizadas as auditorias.

A designação de responsáveis pelas auditorias.

O monitoramento e análise dos resultados das etapas, para verificar a aderência aos padrões e eliminar os fatores que levam a desempenhos insatisfatórios.

Planejar o controle de qualidade, com o monitoramento e a análise dos resultados, para avaliar sua aderência aos padrões estabelecidos e eliminar os fatores que produzem resultados insatisfatórios. Se o tempo de resposta a uma dúvida do usuário por email está estimado em 48 horas, pelo controle de qualidade pode-se verificar como este tempo pode ser reduzido, através de soluções tecnológicas ou pela contratação de mais atendentes. O planejamento do controle da qualidade inclui:

A definição de subprodutos e atividades, responsáveis e datas de entrega.

A atualização periódica da EAP (Estrutura Analítica de Projeto), do dicionário da EAP e do cronograma.

Consolidar o Plano de gerenciamento da qualidade, em documento com o escopo do sistema da qualidade, padrões e políticas consideradas, interação entre os processos de gestão da qualidade (garantia e controle), os requisitos do projeto, os procedimentos, as listas de checagem utilizadas. Se a organização que realiza o projeto do site está contratando um fornecedor de produto ou serviço de TI, é preciso registrar nas especificações de trabalho com este fornecedor os requisitos da qualidade, os testes a realizar, os padrões a considerar, as responsabilidades do fornecedor e do contratante, para reduzir as chances de mal-entendidos. Manter um processo iterativo de design ao longo do projeto, com sucessivos processos de design, testes, redesign, novos testes, até o lançamento do produto. Desde as fases iniciais do projeto, é importante realizar testes com usuários no website para aperfeiçoar aos poucos o produto. (Atualizado em 4.7.2010)

Referências

Livro: Metodologia de gerenciamento de projetos – Methodware, de Carlos Magno Xavier e outros autores. Aspects of design quality (Alextbox, acesso em 23.11.2008) When to use which user experience research methods (Alertbox, acesso em 21.11.2008) Project quality plan – template (Gantthead, acesso em 30.8.2008) → Indicadores e métricas para avaliação de e-serviços (2007) → Regras e diretrizes para os sítios na internet da Administração Pública Federal (2002) → W3C Web Content Accessibility Guidelines 1.0