Os testes de compatibilidade com browsers verificam as páginas de um website ou app em várias versões de programas, dispositivos, e plataformas, com ou sem o uso de plugin. Pode-se por meio deles avaliar um aplicativo online em situações de uso próximas às da maioria dos usuários e verificar como aparecem em cada uma.
O público online usa ampla variedade de browsers e plataformas, com diferentes configurações e recursos, que interpretam à sua maneira os padrões web. Muitos interpretam os códigos de programação de cada página de modo inconsistente. Felizmente, as especificações em desenvolvimento do HTML5 facilitam a compabilidade entre programas e o desenvolvimento em geral, mas até sua aprovação final é importante fazer regularmente estes testes, antes e depois do lançamento de websites e plataformas online. O ajuste do código, levando em conta cada navegador e o uso de padrões web para definir o layout e a programação, ajuda a contornar os problemas causados por estas diferenças. Para permitir a percepção do uso em várias configurações, é importante testar cada modelo de página nos principais browsers, plataformas e dispositivos. Pode-se assim garantir com mais segurança o acesso apropriado da maior parte dos usuários ao website. A programação deve ser também compatível com versões antigas dos navegadores, na medida em que os usuários se preocupam cada vez menos em atualizar suas versões dos navegadores e programas adicionais, como plug-ins. De qualquer forma, mesmo que o código não funcione perfeitamente em uma plataforma ou programa, é importante que ao menos a estrutura da página e seu conteúdo se mantenham estruturados em diversos programas de acesso.

Atividades relacionadas

Pesquisar os browsers mais utilizados pela maioria dos usuários nas etapas iniciais de desenvolvimento do website ou aplicativo, em estatísticas de acesso gerais da web e de site já existente; pesquisar também o perfil dos equipamentos dos usuários mais frequentes de uma interface específica.
No terceiro trimestre de 2014, 95% dos tablets vendidos no Brasil rodavam o sistema operacional Android. Cerca de 78% custavam até 500 reais, sendo 51% abaixo de 300 reais. Dos 2,3 milhões vendidos, 88% possuem telas de até 8 polegadas, tamanho menor do que o padronizado pelo modelo clássico do iPad, da Apple, de 9,7. (Convergência Digital, dados IDC Brasil)
Estabelecer as situações de uso prioritárias, criar parâmetros e valores para a avaliação; fazer o mesmo para as situações de uso secundárias e estabelecer os valores (notas) mínimas aceitáveis. Testar a interface em diferentes versões de:

Programas navegadores (Internet Explorer, Firefox Mozilla, Chrome, Opera, Safari, em diversas versões, Jaws para pessoas com deficiência visual).

Nos programas navegadores, é importante verificar:

Se as páginas são compreensíveis sem uso de JavaScript.

Se é possível navegar sem o uso de plug-ins.

Plug in error
A necessidade de plug-ins pode impedir usuários de navegar em um site (acesso em 27.4.2015)

Se é possível navegar sem visualizar imagens.

Se é possível navegar num browser específico.

Incompatibilidade de browsers
As páginas deste site não são compatíveis com o Internet Explorer. (acesso em 27.4.2015)

Sites como WebPageTest e ferramentas como Microsoft Expression e Dreamweaver permitem a visualização de previews de websites em diferentes browsers, para a resolução imediata de problemas e diferenças no modo de visualização dos layouts.

Sistemas operacionais (PC, Mac, Linux, Chrome, Android), se possível, em diversas versões de cada.

Dispositivos, inclusive em aparelhos móveis (especialmente iOS e Android) ou emuladores. Como nos computadores pessoais, deve-se escolher os aparelhos mais populares para realizar os testes. Serviços como DotMobi Virtual Developer Lab, proveem acesso a diversos dispositivos móveis.

Dispositivos móveis têm usado versões compactas dos browsers para desktop, o que facilita os testes, muitos dos quais podem ser feitos simplesmente com a redução da janela no computador e a setagem do CSS para dispositivos móveis. Testes mais aprofundados exigem o uso nos próprios dispositivos, para simular a experiência real, especialmente crítica em relação aos espaços de toque entre links e botões.

Avaliar os resultados de acordo com as referências criadas inicialmente. Analisar o código do website e fazer os ajustes necessários para garantir a compatibilidade nas principais situações de uso. É importante também considerar os custos de desenvolvimento das soluções compatíveis, de modo que fique dentro das estimativas de custo do projeto. Para o ajuste de JavaScript e código backend, pode-se usar o Selenium, sistema para testes de apps web que pode controlar diversos browsers, simulando a experiência dos usuários reais e permitindo melhor avaliação do uso. (1) Verificar a compatibilidade com browsers em sites como BrowserShots ou Browser Stack. Verificar a compatibilidade em dispositivos móveis em sites como mobi.Ready, W3C mobileOK Checker, TAW mobileOK Basic. (Atualizado em 27.4.2015)  

Referências

HTML&CSS suport (findmebyIP, acesso em 14.4.2013) 1) Tips on cross browser web testing, de Justin James (TechRepublic, acesso em 15.11.2011) 55 Google website optimizer tips and tricks – dicas sobre o uso do Google Website Optimizer (Conversion Rate Optimization, acesso em 7.12.2009) Should web developers keep up with browser statistics? (TechRepublic, acesso em 26.8.2008) CanIUse – tabelas com informações atualizadas sobre compatibilidade de browsers a tecnologias web front-end para desktop e browsers de dispositivos móveis (acesso em 25.7.2014) test everything! – ferramenta para teste de websites na validação do código, em SEO, em mídias sociais e outros recursos (B2B, acesso em 8.12.2008) WebPageTest – ferramenta para teste em diversos browsers Testing web applications with multiple browsers (TechRepublic, 7.1.2008) Browser Shots – programa que faz captura de telas de sites em diferentes versões de browsers